Sobre este blog

Este nome é facilmente interpretado como 'Mundo Idiota', o que não deixa de ser, visto que atualmente vivemos em um mundo do TER e pior, do PARECER TER / SER, enquanto o que devemos valorizar é o SER. Mas o nome tem outro motivo. Uma pessoa que defende sua pátria é chamado de patriota, numa analogia a pessoa que defende o mundo seria o MUNDIOTA.
 

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Rio 2016

Enfim teremos uma olimpíada em nosso país. O maior evento esportivo mundial ocorrerá em nosso solo. Não teremos o problema com o fuso horário, nem a necessidade de nos deslocarmos milhares de quilômetros para poder apreciar este fantástico evento.

Mas agora vem a questão: “É bom ou ruim ter uma olimpíada aqui?”

Já vi alguns comentários na internet, com amigos, e vários são contra. O principal argumento é que o país tem muita coisa antes para ver, pessoas com fome, corrupção, violência, falta de saneamento, de educação de qualidade, enfim, a quantidade de itens a serem citados é imensa, e com toda a razão. Vejo também comentários dizendo que isso fará com que muito dinheiro seja desviado nas propinas da vida, que poucas pessoas ganharão muito dinheiro com isso, também com razão.

Mas fico pensando. Se somente estes forem os argumentos para fazer com que uma olimpíada não ocorra em um país, qual país do mundo poderia sediar uma olimpíada? Sinceramente eu desconheço um país onde não tenha violência, pobreza, fome, desrespeito humano. Claro que cada uma tem um nível, mas vejamos a China. Como é a condição de trabalho das pessoas? O que acontece com muitas meninas recém nascidas? Mas a China é uma exceção, dirão. Então vamos a Londres, cidade sede da próxima olimpíada. Como terei segurança em um país onde a polícia acha que alguém é suspeito e vai lá e mata? Está aí o caso do Jean Charles para afirmar isso. E a violência dos Hooligans? E olha que nunca fui lá, não conheço a realidade do local. Será que lá não tem mendigo, pobres, crimes?

Claro que não, o que de certa forma invalida este argumento. Também desconheço um país onde todos os envolvidos na construção da infraestrutura necessária sejam honestos e não tenham a tentação de levar um pouco mais.

Sei que a olimpíada por si só não será capaz de mudar um país (melhorar a infraestrutura certamente sim), no entanto tento ver este evento de outro modo. Creio que é comum dos humanos ter momento na vida em que estão chateados, se achando pior que os outros, feios. E quando estão com outras pessoas, escutam sempre que os outros são melhores, os outros sabem fazer, os outros são mais educados, e muitas vezes isso acaba fazendo com que, de fato, as pessoas passem a adquirir tais posturas, mesmo que não as tenha. Fazem isso “por maioria de votos”, afinal, se todos dizem isso, quem sou eu para questionar? Porém se nós começarmos a fazer algumas mudanças primeiramente na parte externa, mudamos o cabelo, as roupas, o estilo, tratamos a pele, os dentes, imediatamente começamos a nos sentir pessoas melhores, a nos tratar assim, e consequentemente ter estes hábitos. Claro que somente mudar o externo, porém sem mudar o interno não resolverá nada, ficará somente na superfície, não atingindo o ponto certo para promover uma mudança efetiva. Mas será que todas as mudanças não começam superficialmente, para ir penetrando até chegar ao ponto certo?

Será que nós, os brasileiros, não teremos uma excelente oportunidade (somando a copa do mundo de 2014) de vermos uma nação comprometida com algo? Pessoas trabalhando para uma finalidade, com um objetivo? Querendo fazer o melhor, sendo tratadas pelos outros como capazes? Acabando com essa mania de nos acharmos inferior aos demais?

Imaginem as pessoas que terão a oportunidade de presenciar isso, terão a chance de vivenciar uma grande mudança, fruto de um objetivo comum, de um esforço nacional, de um comprometimento, e ver que nós, os brasileiros, somos capazes, não ficamos devendo nada aos outros, temos tanta capacidade como todos os outros. E depois de perceber isso, os benefícios que isso pode trazer, comecem a reproduzir esta atitude em sua vida, nas das suas famílias, da sua comunidade.

E que os brasileiros mais conscientes fiscalizem as obras, os orçamentos, os políticos envolvidos. Que ao invés de criticarem os super faturamentos, fiquem atentos e trabalhem para impedir isso, ou ao menos denunciem.

Que usemos este evento para restagar a confiança em nós mesmos, na nossa capacidade. Que isso possa nos ensinar o que é objetivo, comprometimento, trabalho e resultado.

Rio 2016, seja bem vindo!

9 comentários:

Conceição Duarte disse...

Oba!!! ENcontrei mais um cara positivo quanto ao evento mais importante de todos os esportes do mundo!

Claro que temos que ter a chance de fazer uma Olimpíada no nosso país, o Brasil merece essa chance, sem dúvida!

O Rio de janeiro, idem!!
E justiça seja feita, o Lula foi muito bem hoje! Ele falou com o coração e com muita inteligência, eu amei e me emocionei. Afinal, acredito que no esporte, a sociedade possa encontrar saídas perfeitas para uma vida sadia, feliz!

Muitas emoções vimos e eonctramos em vários esportes da vida.

Tudo dará certo. E agora é a nossa vez!!
Viva o Brasil, o Rio de Janeiro, nossos atletas e a vontade que temos de ser uma grande NAÇÃO!!!

Um beijo parabéns pelo seu texto,


CON

angel disse...

Concordo com você. Reservadas as devidas proporções, quando eu era criança realizavam-se todos os anos os famosos jogos regionais. E em minha cidade haviam muitas pessoas que faziam brilhar o atletismo, o vôlei... quando tivemos o evento aqui, todos os alunos ficaram motivados. as escolas serviam de alojamento para os atletas e os alunos que não tinham aulas assistiam a todos os eventos. Foi uma época áurea. Mais e mais entusiastas surgiram.
Espero que o acontecimento de hoje também sirva para motivar crianças e jovens a praticarem esportes e que as autoridades pensem não só como receber os turistas e atletas, mas principalmente em formar nossos futuros atletas desta Olimpíada..
Creio que ganharemos todos.
abraço
Angel

Tiago P. disse...

Eu era contra. Mas não pelos motivos da pobreza e corrupção e sim pelo receio de que pode ser que nada dê certo, assim como no Pan (mta coisa mal acabada e a desejar).

Mas como foi confirmada, então torço pelo país, até pq amo esse lugar e qro q o mundo tbm o ame não só por ter mulher bunduda e bossa nova.

Cidão disse...

Nunca se irá roubar tanto nesse país. Lembra do Panamericano?
Vai ter um monte de ladrão se enriquecendo. Espere e verá.

Douglas Christo disse...

Com certeza...

E, mais uma vez, cito alguns dos meus artigos, em especial o seu velho conhecido "Desabafo"... Todo brasileiro empenhado em ser como tal deveria possuir um sentimento de ambição benigno para conduzir sua vida de maneira séria.

Douglas Christo disse...

Detalhe: o com certeza é em relação ao artigo principal. Não ao comentário anterior...
É importante que o brasileiro possa montar uma identidade que não seja estereotipada, e os dois eventos podem gerir uma mostra disso.
Acima da possibilidade da torcida da casa estar sempre junto, é uma boa oportunidade de demonstrar que brasileiro não faz como outros, olhando pro próprio umbigo naquilo que faz de melhor...

Arthurius Maximus disse...

A questão é justamente essa. Seguindo pela experiência do PAN, não haverá do que se orgulhar depois. Não haverá melhoria.

Os mesmos argumentos foram usados para a realizaçãodo PAN e o único legado que vimos aqui no Rio foi uma devastadora epidemia de dengue e uma cidade falida.

Atlanta levou trinta anos para pagar as dívidas contraídas nas Olimpíadas.

O problema que reside na diferença entre os países ricos e os países pobres sediarem uma Olimpíada está na violência e nem a corrupção.

O problema principal é o "depois". enquanto nos países ricos o dinheiro "queimado" não fará tanta falta; nos pobres sim.

A sanha em fazer espetáculos cada vez mais grandiosos do que os anteriores, fez das Olimpíadas um "buraco negro" de gastos. E um país onde pessoas morrem porque não conseguem uma simples atadura gessada para tratar uma fratura, gaze e mercúrio cromo são artigos de luxo ou um doente de câncer tem que esperar dois anos para fazer um exame não pode se dar ao luxo de desperdiçar uma "grana preta".

Já faz muito tempo em que o retorno para as cidades não existe. O último lugar "que se deu bem" foi Barcelona e, mesmo assim, porque a área escolhida e o projeto foram muito bem feitos e pensados.

Um abraço.

Tiago Ferreira da Silva disse...

Concordo com Arthurius...
A experiência do PAN dá um dimensão no rombo que pode rolar com as Olimpíadas: foram gastos 3x mais que o previsto para que o evento acontecesse.

Quanto à violência, creio que isso é o de menos. Sério mesmo. Houve violência no PAN? Não. E sabe porquê: porque a facção do CV e a facção da polícia dão uma trégua; com certeza rola algum acordo para que ambas as partes não saiam prejudicadas. E isso não é nenhuma teoria da conspiração, não. A meu ver, é um axioma.

O único desfrute do brasileiro pobre é saber que vai ter vários gringos contemplando sua Cidade Maravilhosa. Porque nem diversão poderão ter: os ingressos de cada evento serão exorbitantes.

Portanto, não vejo nenhum sinal de otimismo para o evento.

Mas é sempre bom saber que tem pessoas com esperança. Infelizmente, eu não sou uma delas.

Abraço!

Guara disse...

Olá Carlos,
Esta é uma oportunidade de ouro para mudarmos nossa consciência de responsabilidade social. Que o entusiasmo permaneça no pós-olimpiada.
Permita lembrá-lo que tem uma referência ao seu trabalho no link:
http://www.seuguara.com.br/2009/10/selo-de-reconhecimento.html.
Um abraço.