Sobre este blog

Este nome é facilmente interpretado como 'Mundo Idiota', o que não deixa de ser, visto que atualmente vivemos em um mundo do TER e pior, do PARECER TER / SER, enquanto o que devemos valorizar é o SER. Mas o nome tem outro motivo. Uma pessoa que defende sua pátria é chamado de patriota, numa analogia a pessoa que defende o mundo seria o MUNDIOTA.
 

terça-feira, 26 de maio de 2009

Os certos estão errados

6 comentários até o momento. Que tal deixar o seu?

Quem de nós que procura fazer o certo já não teve a impressão que neste país o errado está certo, e os que buscam fazer o certo estão errados. Há tanta inversão de valores que os certos são ridicularizados, tratados como bobos, otários. Querer fazer as coisas certas, mesmo que isso vá contra os nossos próprios interesses é coisa de gente que não terá futuro.

Vendo um programa de TV, com reportagens da região onde moro, foi apresentada uma notícia informando que o roubo de bicicletas na cidade aumentou com relação ao mesmo período do ano anterior. Novidade!!!!Mas o que achei legal é que aumentou porque as pessoas não tomam cuidado com suas bicicletas, deixando-as na rua sem travas e segurança. E olha que eu achava que o aumento era porque cada vez mais nossa sociedade está produzindo pessoas sem caráter, sem valor, sem respeito, sem senso de comunidade. Pessoas que crêem que a felicidade vem de objetos, que precisam ser comprados a todo momento, custe o que custar.

A culpa pelos roubos não é mais do ladrão (errados), mas sim do dono da bicicleta (certos). Deu-se a inversão.

Fico “maravilhado” quando imagino as outras situações.

  1. Meu relógio é roubado, pois ele estava no meu pulso. A culpa é minha por ostentar. (Luciano Huck reclamou publicamente sobre isso)
  2. Uma mulher com joias é assaltada. A culpa é dela por ostentar.
  3. Uma mulher vestida sensualmente é estuprada. A culpa é dela por ter provocado o estuprador.
  4. Sou assaltado quando passo sozinho em uma rua com pouco movimento. A culpa é minha por ter dado mole.
  5. Meu carro é furtado. Sou o culpado por não ter alarme, sistema anti-furto, gps, possibilidade de travar o motor remotamente.
  6. Minha residência é invadida e tudo nela é destruído e roubado. A culpa é minha pois não coloquei cerca, câmeras, cão, polícia.
  7. Tenho meu comércio destruído no reveillon por um bando de idiotas alcoolizados que “comemoram” o novo ano. A culpa é minha por ter um comércio em um local propício a isso. (Isso aconteceu na cidade de Praia Grande, no reveillon deste ano)
  8. Vou ver uma partida de futebol no lugar da torcida “adversária”, e apanho muito. A culpa é minha por não estar no meu lugar.
  9. Eu tiro nota em uma matéria e não deixo ninguém colar, e passo a ser ignorado e maltratado pelos outros alunos. A culpa é minha que não sei como as coisas funcionam.

Poderia ficar aqui dando inúmeros exemplos de como os certos sempre estão errados. Ter um relógio, bolsa, jóias, ser bonita, ter carro, ter casa, ter comércio, torcer para o time adversário passou a ser errado, não passar cola, pois isso desperta a raiva dos outros, e isso é imperdoável. Onde já se viu “provocar” o outro deste modo. A culpa é nossa mesmo, que trabalhamos e lutamos para termos uma vida digna, honesta.

E os outros, que batem, roubam, estupram, matam, esses são somente vítimas do sistema, coitados que são provocados cruelmente por nós, que podemos ter as coisas, e fazemos questão de expor isso, de mostrar a eles o quanto somos melhores. Estes sim precisam de pessoas que os defendam, que entendam que eles são somente vítimas, pobres coitados. Precisam de pessoas que lutem por eles, pelo direito deles. Direitos humanos já!

Chega disso!!! É preciso parar com isso, parar de tratar os errados como certos, e os certos como errados. É preciso perceber que a culpa do roubo da bicicleta não é do dono que a deixa na rua, mas de quem a rouba. Se não mudarmos isso, será que nossos políticos acharão que eles estão errados, afinal, somos nós que os elegemos (felizmente nisso estou bem, mas bem fora mesmo) e damos todo o dinheiro para eles roubarem administrarem? A culpa é nossa por dar o dinheiro, não deles por roubarem.

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Da série “Das coisas que não entendo”

4 comentários até o momento. Que tal deixar o seu?

Há um tempo atrás ia até um restaurante que tinha convênio com a empresa onde trabalhava. O restaurante era simples, e meio desorganizado com relação as filas, já que as filas de pagamento e comida se ‘trombavam’.

O restaurante era por quilo, o que significa que cada pessoa paga o que pega.

Uma das possibilidades de comida era o pastel, que era de ‘carne’, ‘pizza’, ‘queijo’, se bem que depois da primeira mordida eu via que realmente era de vento.

E é aí que não entendo. Por que um restaurante por quilo quer fazer economia no recheio do pastel, a tal ponto de só vir mesmo o cheiro? Será que eles não ‘sacaram’ que a pessoa paga o peso, e não a unidade de pastel?

Sei que em muitas pastelarias o pessoal coloca vento, afinal, as pessoas comprar a unidade, e quanto menos comida ‘mais lucro’ para o empresário, mas este conceito em um restaurante por quilo realmente não consigo entender.

Mais um fato pra minha série…

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Incompetência premiada

7 comentários até o momento. Que tal deixar o seu?

Há tempos que vejo que neste país – e creio que no resto do mundo também – que a incompetência é algo digno de premiação. Incompetentes muitas vezes se “dão melhor” do que os competentes e honestos. E exemplificarei o que disse em função de algo que ocorreu com minha família.

Minha mãe é professora, e tinha uma franquia com vários alunos, muitos em um nível superior ao que estavam cursando na escola. E uma pessoa da cidade, mas que morava fora, estava com o filho com problemas na escola e então recorreu à minha mãe para que desse aula particular para o seu filho para que pudesse ir bem na prova. Minha mãe estranhou o fato daquele pai ter vindo até ela, afinal, era uma pessoa de muitas posses e o filho estudava em uma das melhores escolas de SP, e certamente poderia ter qualquer professor particular que quisesse. Só para terem uma idéia, disse que minha mãe poderia pedir o que quisesse, que isso não seria problema para ele. Aqui vale um parênteses, o filho dele voltava de avião particular para a cidade natal.

Pois bem, minha mãe aceitou as aulas, no entanto como a matéria era bem avançada e meu irmão, que também fazia o método e tinha visto a matéria recentamente minha mãe confiou – com toda a consciência – a aula ao meu irmão. Quando o rapaz chegou meu irmão deu aula, e foi somente necessário 1 hora de aula, este tempo foi o suficiente para esclarecer as dúvidas e fazer com que ele tirasse uma excelente nota.

Resumindo, o valor ganho por nós foi somente de R$ 15,00, de uma pessoa que deu carta branca para pedirmos o quanto quisermos e utilizarmos quantas horas fossem ‘necessárias’. O outro amigo deste rapaz ficou em SP, teve várias aulas, muito mais caras que as nossas e ainda assim foi pior na prova.

Escrevi isso não para colocar minha família sob holofotes e para que recebam aplausos, mas sim para mostrar um exemplo de como os incompetentes ganham mais dinheiro. Quem é que deveria cobrar mais, quem deu 1 aula e sabia o que estava fazendo ou quem deu várias aulas, sem saber muito? Certamente para os que não possuem a competência necessária tudo é mais difícil, portanto em qualquer julgamento eles cobram mais, sem contar que leva mais tempo para executar.

Fico imaginando se minha família tivesse agido de outro modo. Poderíamos, certamente, ter ganho bem mais, digamos que ‘valorizar’ o serviço, e depois espalhar para todo mundo que conseguimos fazer com que o rapaz passasse na prova, para quem sabe fazer propaganda e ganhar mais dinheiro posteriormente.

E o que fizemos? Somente o nosso serviço, nada mais. Era o que tinha que ser feito, e foi feito.

Já presenciei muito disso em ambiente de trabalho. Eu gosto de fazer as coisas bem feitas, e o mais rápido possível, independente de ganhar mais para isso ou não. Então costumo resolver problemas rapidamente, sendo uma pessoa muito acionada para problemas mais complexos e esquisitos. E como procuro fazer as coisas mais rápidas, é comum eu não ficar além do expediente, no entanto vejo pessoas com muito mais dificuldadades que eu, que fazem menos atividades que eu e precisam em alguns momentos trabalharem até mais tarde.

Pergunto: quem ganha mais? Acertou quem disse que é o outro, afinal, eu não faço hora extra, não ‘me mato’ pelo serviço, ‘somente’ faço o meu no meu horário e vou embora, enquanto que o outro fica bravamente até bem mais tarde para resolver os problemas da empresa.

Claro que necessidades de horas-extras existem, e não estou generalizando, mas somente dizendo que neste caso, com pessoas com as mesmas funções o incompetente (perante o outro) ganha mais, e ainda é mais lembrado na empresa, afinal, é ele quem fica até tarde, enquanto que o outro vai embora cedo.

Acho engraçada esta mentalidade, de premiar o mais incompetente. E infelizmente isso não é só uma observação minha, pois senão não teria uma piada sobre o assunto:

Um sujeito vai visitar um amigo deputado e aproveita para lhe pedir um emprego para o seu filho que tinha acabado de completar o supletivo do 1ºgrau.
- Eu tenho uma vaga de assessor, só que o salário não é muito bom...
- Quanto doutor?
- Pouco mais de 10 mil reais!
- Dez Mil!!!!???? Mas é muito dinheiro para o garoto! Ele não vai saber o que fazer com tudo isso não, doutor!!! Não tem uma vaguinha mais modesta?
- Só se for para trabalhar na Assembléia. Meio período e eles estão pagando só 7 mil!
- Ainda é muito doutor! Isso vai acabar estragando o menino!
- Bom, então tenho uma de consultor. Estão pagando 5 mil reais por mês,serve?
- Isso tudo é muito ainda, doutor. O Senhor não tem um emprego que pagasse uns mil e quinhentos ou até dois mil reais???
- Ter até tenho, mas aí é só por concurso e é para quem tem curso superior pós graduação ou mestrado, bons conhecimentos em informática, domínio da língua portuguesa e conhecimentos gerais. Além do mais, ele terá que comparecer ao trabalho todos os dias...

Infelizmente qualquer semelhança não é mera coincidência, mas sim constatação.

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Questão de caráter

4 comentários até o momento. Que tal deixar o seu?

Vende bem porque é fresquinho, ou, é fresquinho porque vende bem?

Stacy Sullivan, primeira gerente de recursos humanos da Google, se lembra da primeira vez que os fundadores da empresa a fizeram quebrarem um paradigma. No seu segundo dia de trabalho, no final de 1999, Page e Brin - fundadores da Google - apareceram em seu escritório com a sugestão de transformar a sala de reuniões em uma creche para cuidar dos filhos dos funcionários. Sullivan ficou horrorizada com a idéia de quebrar tudo na sala de reuniões. A idéia parecia "não apropriada" para um ambiente de trabalho corporativo. Além disso, somados TODOS os filhos de TODOS os funcionários da Google naquela época, você chegava ao incrível número de 2.

- Depois que eu expus todos os argumentos que eu conhecia, Page e Brin olharam para mim e disseram:

- Legal, mas por que não podemos transformar a sala de reunião em uma creche?

Com esse ESPÍRITO de quebra-tudo, a Google acaba de ser escolhida - primeira de muitas futuras vezes - O MELHOR LUGAR PARA SE TRABALHAR NOS EUA. Ou seria melhor dizer, O MELHOR LUGAR PARA SE VIVER NOS EUA? Comida não falta. Sergey Brin, fundador da Google, acredita que o funcionário da empresa não pode trabalhar distante mais que 150 metros de uma boa cafeteria repleta de comes e bebes saudáveis. Dito e feito.

Sujou a roupa? Leva para o escritório. A lavanderia da Google fica aberta 24 horas. Tá precisando trocar o óleo do carro? Enquanto trabalha, a oficina da Google dá um tapa no carango. Se estiver sujo, o lava carros da Google dá o toque final. O verão tá chegando e você quer entrar no shape? Dá uma passada na big huge academia de malhação da Google. Tá faltando motivação para malhar? A Google subsidia o personal trainer. Tá estressado? Passa na sala de massagem do escritório. Já domina o inglês? Inscreva-se nas aulas de Mandarin, Japonês, Espanhol e Francês. Chegou o dia de comemorar o aniversário de casamento com a patroa? A equipe de "concierge" da Google faz a reserva para o jantar no melhor restaurante da cidade. Quer comprar um carro novo? Se escolher um carro híbrido, a Google te dá US$ 5 mil doletas para comprar o carro. Você conhece algum amigo que se encaixa naquela posição recém aberta na Google? Se a companhia fechar negócio com o cidadão, o googleniano leva 2 mil dólares para casa. Nasceu o filhote? PARABÉNS! A Google te dá 500 dólares para bancar os gastos extras com o pimpolho nas primeiras quatro semanas. Sente-se sozinho e deseja fazer novas amizades? Compareça às festas TGIF (Thanks God Its Friday!) onde o networking rola solto. Tá cansado de dirigir até o escritório da Google? Sem problemas, o ônibus da empresa pega você em uma das dezenas de paradas pela cidade. Ops, não viu nenhuma novidade nesse benefício? E se eu te disser que todos os ônibus da Google são equipados com rede sem fio wireless para você se conectar à web no caminho para o escritório? Melhorou?

E tem mais, cada um dos 10 mil funcionários da Google tem direito a: ficou doente, fica em casa. O funcionário tem "sick days unlimited". Passeio anual grátis em estação de ski, todas as despesas pagas. Fantástica série de palestras semanais com FAMOSAS e RELEVANTES personalidades. Comida grátis. Equipe grátis de médicos residentes. Piscina, quadra de vôlei, paredes para escalar, scooters e mídia centers. 20% do tempo de trabalho livre para se dedicar a projetos FORA DO BARALHO.

A Google oferece tantos benefícios aos googlenianos, que o difícil não é trazer o funcionário para o trabalho, mas mandá-lo embora para casa. A turma simplesmente não tem motivos para ir embora! Até quem não trabalha na Google quer conhecer a organização por dentro. Mikhail Gorbachev, Margaret Thatcher e Muhammad Yunus são algumas das celebridades que passaram por lá recentemente para aprender alguma coisa.

- A Google não é uma empresa convencional. Nós não temos nenhuma intenção de sermos uma. - primeiro parágrafo da lendária carta assinada por Page e Brin, distribuída aos potenciais acionistas da Google, pouco antes de abrir o capital da empresa em 2004.

Fazer esportes, assistir a palestras interessantes, ter acesso 24 x 7 à internet, comida saudável a qualquer hora do dia, ajuda para resolver com tranqüilidade os pequenos grandes problemas da vida (lavar roupa e carro, melhorar de um resfriado ou cuidar dos filhos, conhecer novas pessoas) existem por um único motivo: atrair e reter os mais interessantes seres humanos do planeta. Seres humanos que querem mudar o mundo, não amadores que procuram por uma boa teta para mamar.

A Google não é um clube de campo paizão. Eles não estão relaxados. Eles querem mudar o mundo. Organizar, disponibilizar e tornar útil toda a informação disponível no mundo. A turma da Google não vive para escrever códigos ou vender links patrocinados, eles têm uma causa e estão com pressa.

A Google oferece benefícios para provocar o SENSO DE URGÊNCIA e não a complacência nas pessoas. Cada benefício é escolhido a dedo para estimular a mente criativa de todos nós. Esse espírito quebra-tudo da Google atraiu muito talento e muito dinheiro nos últimos anos. Hoje, dinheiro não é problema para a Google. Com apenas 8 anos de idade, a empresa fatura mais de 10 bilhões de dólares por ano. O valor de uma única ação ultrapassa 483 dólares! Eles têm mais de 10 bilhões de doletas na poupaça para investir, comprar, reformar, inventar o que quiserem! Eles têm todo o dinheiro do mundo para comprar o maior e mais confortável escritório do planeta, entretanto, os funcionários da Google trabalham "apertados" em cubículos próximos uns dos outros, simulando o permanente ambiente de sala de estudo de faculdade onde os fundadores começaram a empresa.

A indústria de tecnologia é privilegiada. Talvez por ser uma indústria jovem, liderada por pessoas jovens (Bill Gates e Steve Jobs), muitas vezes sem nenhuma experiência em mega corporações regradas e engessadas, que negam, renegam e desprezam as regras medíocres do mundo corporativo que CASTRAM a criatividade do SER HUMANO.

Inspirado por essas histórias, um empresário Brasileiro da indústria de tecnologia, líder de 300 pessoas, implementou boa parte dessas idéias em sua empresa. Café-da-manhã à vontade, cafeteria abundante, artes e música por todos os escritórios, carros da empresa, horário livre para ir e vir, bônus agressivo. RESULTADO: Complacência generalizada. A empresa quebrou

24 meses depois. Pergunta que não quer calar: por que a oferta de tantos benefícios gerou senso de urgência na Google, enquanto na pequena empresa Brasileira gerou complacência? Pergunta que te faz pensar: o que vem primeiro, os melhores seres humanos ou os melhores benefícios? Pergunta que você precisa fazer: seres humanos talentosos precisam de piscina e quadra de vôlei para fazer acontecer? A pergunta das perguntas: a Google é o que é porque oferece tantos benefícios, ou, porque oferece tantos benefícios ela é o que é? A pergunta final: se a Google retirasse todos os benefícios, a empresa continuaria a superar as suas metas de crescimento?

Uma única resposta para todas as perguntas: o que faz uma empresa são os seres humanos de CARÁTER. Nunca duvide disso. Pessoas por pessoas, não tem valor algum. Capital Humano é balela! O que move as coisas é o CARÁTER das pessoas. Se as vendas estão ruins, o problema é vendedor não o mercado; se todos os dias os funcionários tem que "sair do sistema" para a coisa funcionar, o problema é o programador não o sistema. CARÁTER vem antes de pessoas e benefícios. Os melhores seres humanos do mundo tem CARÁTER. Para eles, os benefícios são uma mera alavanca para atingir os objetivos sempre maiores que perseguem em todos os momentos de suas vidas. Quem perceber que é importante respeitar isso, e facilitar a vida dessas pessoas, irá criar o ambiente ideal a uma geração de riqueza sem precedentes.

Os melhores Seres Humanos do mundo não nasceram para mamar nas tetas do Estado, mas para transformar o Estado de benefícios em um Estado de Caráter. A Vida é sobre usar o que recebemos para produzir riqueza para aqueles que ainda não tem o que recebemos. Quando vai cair a ficha?