Sobre este blog

Este nome é facilmente interpretado como 'Mundo Idiota', o que não deixa de ser, visto que atualmente vivemos em um mundo do TER e pior, do PARECER TER / SER, enquanto o que devemos valorizar é o SER. Mas o nome tem outro motivo. Uma pessoa que defende sua pátria é chamado de patriota, numa analogia a pessoa que defende o mundo seria o MUNDIOTA.
 

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Esta “não” é uma obra de ficção

Em toda novela, sempre aparece um texto, similar ao abaixo:

Essa é uma obra de ficção. Qualquer semelhança com nomes, datas e acontecimentos reais terá sido mera coincidência.

Na novela Caminho das Índias havia uma família onde os pais incentivavam o filho a bater, zoar os outros, tirar uma onda. A cada absurdo que o filho fazia os pais falavam “boa filhão”. E o adolescente adorava, afinal, é o sonho de qualquer filho ser aprovado pelos pais.

Este foi um assunto muito interessante tratado lá, na obra de ficção. Porém infelizmente a ficção era somente a obra, e não o que era retratado nela. Hoje pela manhã ligo o jornal e vejo uma briga de adolescentes, onde a mãe de uma delas incentiva a filha a brigar. Vejam o vídeo abaixo, e a reportagem aqui.

No vídeo, a menina que fica por baixo quando está ocorrendo a briga é a de camiseta branca com mangas azuis. Pelo video também percebemos que a garota que “puxou” briga foi a mesma. E no depoimento da mãe, ela diz que “…mas acho que qualquer mãe, qualquer pai, visse a filha no chão, por baixo…”. Bom, pelas imagens a menina que estava por baixo era a mesma que começou a briga.

Depois a mãe fala que se o filho apanhar na rua, depois apanharia em casa. Fantástico o pensamento, fico altamente crente que nossa sociedade evoluirá, que alcançará um nível mais elevado, onde o respeito seja a palavra de ordem, onde a agressão seja somente páginas de livros de história. clap* clap* clap* clap* clap* para esta cidadã exemplar.

Certamente estou sendo muito irônico. Será que a pessoa que gerou a menina tem uma leve idéia do que é educação? Do que é respeito? Do que é civilidade? Do que é respeito às divergências? Do que é diálogo? E como responsabilizar a menina, se dentro de casa ela aprende isso? Se a mãe incentiva a briga, proíbe os outros de apartarem. E ainda diz “mete o pé que nem eu te ensinei”. Belíssimo ensinamento. Agora, qualquer coisa que contrarie a filha, basta ir lá, meter o pé e saber que tem o pai e a mãe acobertando e incentivando.

E pensar que a mãe trabalha em uma escola. Que ensinamentos ela ensina aos estudantes?

Pois é, esta é a nossa realidade. Estas são as pessoas com as quais convivemos, com as quais nosso país é feito. Pessoas que não se empenham em aprender, em compreender, em respeitar, em dialogar. Pessoas que creem que estão acima do bem e do mal, que a lei que deve ser seguida não é a do amor, mas sim a da selva. E depois a culpa de tudo é somente dos politicos…

Quem dera a nossa realidade pudesse ter o desfecho da novela, com o adolescente punido, sendo obrigado a fazer trabalhos comunitários, e gostando de fazer isso, vendo que pode ser feliz ajudando aos demais.

4 comentários:

Arthurius Maximus disse...

Infelizmente, meu amigo, essa ocorrência é o retrato fiel da sociedade em que nós nos transformamos. Leis que valorizam a violência e tornam simples e fácil se safar de qualquer crime e a inversão de valores que impera de forma generalizada.

Educação, respeito e civilidade passam longe da mente de uma enorme legião de brasileiros que vive como animais e o pior; gosta disso.

Marise von disse...

Carlos,

Deixei um selo pra você no meu filosofia é o limite.
Parabéns pelo seus post, um excelente trabalho.
Abraços,
Marise.

angel disse...

Infelizmente fatos como estes são mais corriqueiros que pensamos.
Faz alguns anos senti na pele um fato muito parecido. Famílias como estas existem, creio que sempre existiram. Família??? bem não sei se poderia chamar de família uma casa onde os pais incentivam os filhos à violência e não ensianm valores como ética, respeito e outros tão importantes para a vida em sociedade.
Hoje, aquele pequeno marginal se tornou advogado... pois é, eu fico pensando: que tipo de coisas ele deve fazer como advogado? que meios deve utilizar? Seria honesto suficientemente para trabalhar com leis, ou se usaria das inúmeras falhas para "safar" pessoas não tão honestas?
Fico aqui torcendo para que, como na novela, aquele serzinho tenha aprendido alguma coisa boa e que hoje seja uma pessoa do BEM.
Abraço
Angel

Comunicação Visual Emerson disse...

Pura vioLência que gera vioLência. Mas esta cena é no Brasil???