Sobre este blog

Este nome é facilmente interpretado como 'Mundo Idiota', o que não deixa de ser, visto que atualmente vivemos em um mundo do TER e pior, do PARECER TER / SER, enquanto o que devemos valorizar é o SER. Mas o nome tem outro motivo. Uma pessoa que defende sua pátria é chamado de patriota, numa analogia a pessoa que defende o mundo seria o MUNDIOTA.
 

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Michael Jackson: descanse em paz

Semana passada faleceu Michael Jackson, cuja morte foi amplamente divulgada. É comum dizermos nesse momento que foi-se o ser humano, e ficou o mito. E nesse caso é a mais pura verdade. As pessoas, gostando ou não das suas músicas, seu estilo, sua dança sabem que ele modificou muito o mundo, influenciou milhões para ser modesto, criou moda, ditou moda, chegou em todos os cantos do planeta.

O mito agora começará a ganhar força, ainda mais em função da forma e momento da morte. Possivel complicação em função dos remédios e a véspera de um retorno aos shows depois de mais de uma década de ostracismo. Certamente muitos lembrarão dele por muito e muito tempo.

Mas deixarei o mito para a imprensa, os fãs. Me aterei mais ao ser humano Michael Joseph Jackson, o quinto filho. Mesmo antes da morte dele era sabido do que ele sofreu na infância, e agora parece que mais informações chegam a tona.

Vi algumas reportagens sobre a vida dele, e depoimentos de pessoas que trabalharam com ele, e do próprio Michael. Michael foi uma pessoa que não teve infância, tampouco felicidade na idade onde deveria ter sua infância. Começou a cantar aos 5 anos, e desde pequeno seu pai sempre o mal tratava, e como o próprio Michael disse em uma entrevista, o seu pais sempre dizia que ele era feio. Tento imaginar o quanto isso pode afetar a cabeça de um ser humano. Como será que uma criança de 5 anos, que já tinha agendados compromissos de adultos, apanhava e escutava que era feio se sentia? Como será que um adulto se sentiria?

Pergunto-me hoje se o motivo de tanta cirgurgia plástica, mudança no rosto, nariz, cabelo e pele não teve nada a ver com o que ocorreu. Pergunto-me se sua frágil saúde – como foi dito por várias pessoas que conviveram com ele e pela publicação que ele tomava grandes quantidades de remédio – não era consequência dessas doenças psicológicas (ver psicossomática).

Será que não era uma forma que ele tinha de tentar encontrar a sua beleza, mesmo que em vão?

Vi também depoimentos dizendo que ele somente era feliz no palco. Creio ser possível sim, pois no palco era o único lugar do planeta onde ele era ele mesmo, podia fazer o que gostava, podia viver de fato.

Uma brasileira, que cozinhou por ele por 20 anos, disse que ele não tinha domínio sobre sua própria vida. Dinheiro não era ele quem controlava, o valor dos show também não, a compra de bens também não, onde estaria também não, seus vôos também não, sua alimentação também não. Outras pessoas sempre diziam o que ele deveria fazer, onde e de que modo. Fico imaginando como fica a cabeça dele. Era prisioneiro de sua própria vida. Vocês se imaginam sem autonomia para decidir os rumos da sua própria vida? Isso é prisão, e talvez ele estivesse aprisionado, dentro do seu sucesso.

Parece que Michael hoje somente queria ser a criança que o impediram de ser. O parque de diversões que ele criou não deve ter sido criado sem motivo. E se ele gostava de crianças por perto, será que não é por que ele queria voltar à idade, a ingenuidade delas, ser feliz? Pessoas que conviveram com ele disseram que ele era muito ingênuo, nesse sentido de puro, de ver bondade.

Se é verdade eu não sei, nem estou aqui para fazer papel de advogado, mas somente colocando perguntas que talvez nunca possam ser respondidas, mas ao menos poderão nos servir para refletirmos um pouco, se nossas certezas são tão certas assim.

E pela primeira vez vi a letra de uma música dele. A música é Man in the mirror. Vi uma frase que me chamou muita a atenção:

Eu vou fazer uma mudança de uma vez em minha vida.
Vai ser bom de verdade, vou fazer uma diferença,
Vou fazer isso direito...

Enquanto eu dobro a gola do meu casaco de inverno favorito,
Este vento está soprando minha mente.
Eu vejo as crianças nas ruas, sem o suficiente para comer.
Quem sou eu para estar cego,
Fingindo não perceber suas necessidades?

Uma indiferença de verão, um pião [feito] de uma garrafa quebrada
E uma alma de homem.
Eles seguem uns aos outros no vento, você sabe,
Porque eles não tem nenhum lugar para ir.
É por isto que eu quero que você saiba:

REFRÃO:

Eu estou começando com o homem no espelho,
Eu estou pedindo a ele para mudar seus modos.
E nenhuma mensagem poderia ter sido mais clara:
Se você quer fazer do mundo um lugar melhor,
(Se você quer fazer do mundo um lugar melhor)
Olhe para si mesmo, e então faça uma mudança.
(Olhe para si mesmo, e então faça uma mudança)

Se queremos um mundo melhor, é melhor olharmos realmente para o homem do espelho, pois ele é o único nesse mundo que pode mudar algo.

Que sigamos essa idéia dele, e que ele, finalmente, descanse em paz.

6 comentários:

Amigao disse...

Eu fico pensando amigão,
como uma pessoa tão pertubada assim pode ditar e mudar regras, modismo e virar um mito?
De que valores estamos falando?

Adorei a letra da musica, que eu não conhecia, pois também penso assim, quem quer mudar o mundo tem que começar mudando a si mesmo.Mas não com mudanças plásticas e estéticas e sim mudanças internas,valores e outras coisas mais.

Aquele abraço

Camile Christina disse...

não tenho nd contra nem a favor a MJ , mais sinceramente eu não aguento mais não se fala em outra coisa .rs

Arthurius Maximus disse...

Um gênio atormentado (afinal, qual deles não é?); um mago da dança e uma pessoa que se transformava completamente nos palcos.

angel disse...

As vezes só paramos para prestar atenção nas coisas e pessoas quando as perdemos.
Acho que a morte de Michael Jackson teve esse efeito sobre as pessoas.
De fato muito se tem falado nos últimos dias sobre ele.
Incrível que por tantos anos, enquanto enfrentou dificuldades de todos os gêneros, a mídia quase o ignorou e agora faz de sua morte a pauta de todos os telejornais e programas. As revistas aproveitam para colocar nas capas seu rosto desfigurado por tantas plásticas, tentativa talvez, como você mesmo disse, de tentar ser outro, quem sabe tentar outra vida.
Pessoalmente acho que ele não viveu, não como ele gostaria. Teve fama, dinheiro mas não tinha o livre arbítrio, a direção de sua vida.
Um prisioneiro de uma situação, de um corpo que tentava mudar a todo custo na esperança de mudar sua própria vida?
Quem somos nós a julgar?
Mas suas mensagens, como a desta música servem para nos fazer pensar.
Um pássaro pode ter como morada uma gaiola de ouro gravejada de diamantes, mas se não tiver liberdade de abrir suas asas e voar pelos céus não viverá contente e nem seu canto será feliz.
Muito cedo ele definhará e quando menos esperar ele cairá morto diante de olhos estupefatos. Morreu? De que??
Abraço
Angel

Raquel El-Bachá disse...

Ele, de fato, foi prisioneiro da fama. A morte de certa forma o libertou.Digo de certa forma porque a mídia continua especulando a respeito de fatos da vida dele e de circunstâncias da sua morte.
Beijos.

Meus Detalhes disse...

Gostei Do Post Carlos.... Mas Que Lindo Comentário Da Mamma Heimmm!!!