Sobre este blog

Este nome é facilmente interpretado como 'Mundo Idiota', o que não deixa de ser, visto que atualmente vivemos em um mundo do TER e pior, do PARECER TER / SER, enquanto o que devemos valorizar é o SER. Mas o nome tem outro motivo. Uma pessoa que defende sua pátria é chamado de patriota, numa analogia a pessoa que defende o mundo seria o MUNDIOTA.
 

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Riscos

Vi esta semana uma reportagem que mostrava o Hospital do Coração (se não me engano) que estava contratando dentistas para participarem das cirurgias, visando minimizar ou eliminar os riscos de infecção que poderiam ocorrer pela boca. Exames são feitos para verificar a chance de ter problemas devido a saúde bucal.

Ao olhos de muitos isso é uma coisa boa, afinal, estão mais preocupados com a nossa saúde, estão diminuindo os riscos. Isso sem dúvida é verdade, no entanto será que isso é algo tão bom assim?

Aos que podem pensar que estou ficando maluco, questionando uma preocupação com a saúde, digo que vejo esta preocupação como um sintoma de uma paranóia que está tomando conta da nossa sociedade. Vivemos em uma sociedade onde os riscos estão pirando as pessoas, fazendo-as tomar decisões e deixando de viver.

Com relação ao dentista, pergunto: "Qual o risco de um paciente ter algum problema devido à saúde bucal?". Que ele existe, não discuto, mas qual é este índice? Deve ser um índice pequeno (pois se fosse grande certamente isso já teria visto há muito tempo), e será que isso torna necessário tal ação? Pense na relação custo-benefício? Quanto que teremos que pagar a mais para ter um dentista disponível em cada cirurgia, sendo que sua ação seria importante em poucos casos? O governo certamente aumentaria os gastos com saúde, e os planos de saúde cobrarão mais caros. Será que este risco exige tal ação?

E será que depois disso, não aparecerá outra estatística dizendo que um índice dos pacientes tem problemas decorrentes de unha encravada, e então precisará de um profissional para resolver este problema também? E se aparecer outra estatística dizendo de um índice de pacientes com problemas decorrentes de câncer de pele? Isso é uma bola de neve, não tem fim. A cada risco percebido irão querer colocar mais e mais travas, diminuir os riscos a todo e qualquer custo. Mas e se eu não quiser pagar este custo, e se eu quiser simplesmente ser operado? Por que eu não teria esta opção?

Vamos a outros exemplos. Antigamente as crianças - eu incluso - brincávamos de bicicleta sem capacete, tornozeleira, cotoveleira e mais um monte de apetrechos 'vitais' atualmente. Brincávamos em parques de diversão que não precisavam ser inspecionados a cada n meses pelos órgãos competentes. Se tinha brinquedo com algum defeito então a gente não brincava ou simplesmente arrumávamos outro modo de brincar. Infelizmente esse tempo morreu. Agora as crianças precisam quase ficar dentro de plástico bolha para não correrem risco de de cortarem, esfolarem os joelhos, ganhar um galo. A cada risco existente ações são tomadas para evitar a possibilidade dele ocorrer.

Se a comida não for tratada com alta higiene, com luvas, toucas, pias desinfetadas com produtos específicos então corremos riscos de termos problemas. Engraçado, nossos pais e avós não tinham este risco? Que eu saiba antigamente nem existiam tais recursos.

Comer ovos, frituras, gordura, coisa proibida. Os riscos disso para nossa saúde são altos.

Viver é se arriscar, ser livre é arriscar, se não arrisca, está prisioneiro.

Quero o direito de comer, quero brincar, quero andar descalço, quero subir em árvores, quero tomar chuva, quero ser somente operado.

E se por acaso algum dos riscos que EU resolvi correr ocorrer, ao menos saberei que EU vivi, que EU fui feliz, que EU pude fazer o que ME deixava bem.

Já escrevi um texto sobre isso, e o que estão fazendo na Inglaterra por causa dessa paranóia da segurança.

3 comentários:

Two Ways... disse...

Bom dia!
Indiquei seu blog ao "Olha que blog maneiro".

As regras e o que deve ser feito estão explicadas no blog Two Ways!

espero que goste...

angel disse...

Viver é um risco...
Estamos continuamente arriscando nossas vidas.
Até dentro de nossas casas. Qualquer coisa pode nos machucar. Imagina uma cozinheira... o risco que corre todos os dias tendo que usar facas na cozinha... Imaginou se ela escorrega no chão liso com uma faca na mão(porque chão de cozinha é sempre liso e um pouco molhado porque algumas gotas d'agua acabam caindo)?
Acho que as pessoas estão ficando paranóicas.
Claro que concordo que higiene é necessária, cuidados e prevenções são importantes mas não devem ser ao ponto de tolher a vida e a alegria de viver.
Também estou ciente dos casos cada vez mais corriqueiros de infecções hospítalares.
Bem, agora me pergunto: como anda a higienização dos hospitais? As pessoas responsáveis pela limpeza são pessoas comuns, dessas que fazem faxina como única opção de vida ou pessoas altamente treinadas e conhecedoras do assunto?
As pessoas que morrem por causa das infecções são pessoas resistentes, isto é, estão em gozo de sua saúde ou muitas estão debilitadas por causa de regimes estapafúrdios?
Dizem que as bactérias estão cada dia mais resistentes. Concordo... mas também estamos cada vez menos preparados fisicamente para enfrentá-las.
Protegendo tanto as crianças elas crescem sem anticorpos e sem a defesa imunológica necessária até mesmo para se protegerem de vírus simples. Qualquer ventinho e nossas crianças já estão doentes.
Precisamos nos proteger mas também precisamos viver de forma equilibrada e saudável.

Abraço.
Angela

Amigao disse...

É amigão, se a moda pega, vai o dentista, a manicure, o açougueiro, o padeiro e até o entregador de jornal.

Lembrei daquele seu post sobre sindicalismo. E se esta onda toda for obra do sindicato dos dentistas?

Abração!