Sobre este blog

Este nome é facilmente interpretado como 'Mundo Idiota', o que não deixa de ser, visto que atualmente vivemos em um mundo do TER e pior, do PARECER TER / SER, enquanto o que devemos valorizar é o SER. Mas o nome tem outro motivo. Uma pessoa que defende sua pátria é chamado de patriota, numa analogia a pessoa que defende o mundo seria o MUNDIOTA.
 

domingo, 13 de julho de 2008

Lei eleitoral

Este país é farto em termos de leis, temos leis para tudo o que se possa imaginar, algumas inclusive no lugar errado, como lei que define a idade para se aposentar, e que está na constituição, e que exige mover céus e terras para mudar. Mas não estou aqui para falar de qualquer lei, mas sim da eleitoral, onde vejo algumas coisas que não consigo ver o menor traço de racionalidade.

Segundo a lei, não se pode fazer propaganda faltando n dias para a eleição para evitar que o eleitor seja influenciado no momento final da eleição. E agora, com a internet sendo algo da vida das pessoas, certamente ela será usada nas campanhas políticas, pelos candidatos, através de sites oficiais deles ou por cidadãos comuns, que através de blogs, fóruns poderão emitir suas opiniões a respeito dos políticos, seu passado, suas propostas, suas ações. E certamente isso tornará mais democrática a informação, pois não teremos somente a ‘verdade’ vinda dos rádios ou emissoras de TV, que são meios de comunicação particulares. A informação também virá do próprio povo, de qualquer pessoa que queira participar da política deste país, que conheça o candidato, suas ações já efetuadas, suas promessas cumpridas e não cumpridas. Tudo isso poderá chegar até os outros eleitores, ajudando-os a tomarem suas decisões de modo mais consciente.

Pois bem, pelo visto há pessoas que não pensam assim. A lei eleitoral adora regular absolutamente tudo, se um candidato teve 1 minuto de tempo, todos os outros (mesmo os que estão com candidatura somente para aparecer) necessitam ter exatamente os mesmo tempo. Se um programa conversar sobre o tempo com um candidato, será obrigado a dar o mesmo tempo para todos os outros. Isso para não ‘favorecer’ ninguém (tratar diferentes de modo igual é algo tremendamente injusto). E neste ano a lei abrange também a internet. Os candidatos poderão fazer suas divulgações somente pela página oficial disponibilizada para eles. Não poderão fazer campanha de outro modo. E neste ponto eu uso um argumento usado por um participante do programa Opinião Nacional, da TV Cultura. “Mas qual é o limite da página do candidato, já que hoje é possível colocar vídeos do Youtube, fotos do Flickr, agenda do Google Calendar, o trajeto do candidato pelo Google Maps, enfim, um monte de recursos de outros sites, mas que podem ser acoplados em uma página. Ou seja, posso fazer uma página onde nada seja feito na minha página. Como bloquear isso? Ou melhor, por que criar uma lei para tentar promover esta restrição?



Mas o pior ainda nem é isso. Essa lei pode afetar os cidadãos comuns, que utilizam os blogs como meio para expressarem suas opiniões. Certamente milhares de posts serão publicados a favor e contra candidatos, alguns por pura imaturidade, alguns com muita consciência. No entanto isso será encarado pela justiça como propaganda eleitoral, e tanto o cidadão quanto o candidato poderão sofrer punições por esta propaganda indevida.

A justiça eleitoral quer monitorar toda a internet. Será que eles têm a mínima idéia do que é internet? Será que eles sabem que não há como controlar isso? Será que eles não sabem que a internet é um espaço público? Receio que não.

Ouvi argumento de outra pessoa que estava no programa, defendendo o sistema eleitoral, que estas postagens poderão influenciar a decisão das outras pessoas. Não me diga!!!! Sério? Fiquei pasmo com a descoberta. E então como um site ou blog poderá influenciar uma pessoa, então a sábia decisão é proibir e gerenciar toda a internet. Gênios.
Então me deixe alertá-los que além do blog, o meu vizinho poderá me influenciar antes da eleição, em uma conversa. Ou então meu colega de trabalho, o caixa de um mercado, o cobrador do ônibus. Será que eles não pararam para pensar nisso? Creio que assim que eles pensarem certamente proibirão todas as pessoas de conversarem, sob pena de prisão. E dá-lhe concurso público para contratar tanta gente para monitorar as pessoas, gente para construir cadeias, gente para tomar conta dos novos presos.

Estou sendo altamente sarcástico, mas infelizmente não estou sendo incoerente. Quem quer proibir divulgação de informação via internet, amanhã pode querer proibir a conversa entre pessoas.

Se ao invés de criarem mecanismos e leis proibindo tal ‘influências’, não seria muito mais efetivo se investissem para que a população ganhasse discernimento? Se tiverem discernimento, não será TV, blog, amigos, o Papa que as influenciará. Ahhhhhh, mas população com discernimento talvez não mantenha o esquema atual, como pude me esquecer disso? Como diria o Robin, Santa Ingenuidade!!!!!!!!!!!!!!

E termino com uma frase que achei muito de acordo com este texto: “Os políticos não tem que governar o povo, tem que governar para o povo”

2 comentários:

GUILHERME PIÃO disse...

Verdade, tanta incoerência e ignorância, não sabem nada.
Aliás, isto não é surpresa eles fazem estas leis só para se sentirem no comando e quem é leigo acredita...pobre Brasil.
Abraços

chicoelho disse...

Só usando de muito sarcasmo como vc disse para
ter que aturar essas leis que são verdadeiros absurdos.
Blogagem Politica dia 19/07 participe

Abç