Sobre este blog

Este nome é facilmente interpretado como 'Mundo Idiota', o que não deixa de ser, visto que atualmente vivemos em um mundo do TER e pior, do PARECER TER / SER, enquanto o que devemos valorizar é o SER. Mas o nome tem outro motivo. Uma pessoa que defende sua pátria é chamado de patriota, numa analogia a pessoa que defende o mundo seria o MUNDIOTA.
 

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

8 ou 80? Por que não 44?

Essa expressão certamente já foi ouvida por você, e provavelmente dita por você. Essa expressão expressa o extremismo, as decisões tomadas nas posições mais extremas de uma situação.

E como dizem “ou 8 ou 80”, as pessoas levam a sério isso, ou seja, se só lhes é dada uma dentre estas duas opções, o que eles ‘podem’ fazer é escolher uma das duas. Não existem outras possibilidades. E isso faz com que em situações do cotidiano decisões e ações sejam feitas com base nestes extremos, que certamente não correspondem a melhor solução.

E com o passar dos anos a gente toma ciência da vida, dos movimentos de ida e vinda de modas, tendências, comportamentos. Parece uma montanha russa, sempre com altos e baixos. No entanto a montanha russa tem por objetivo gerar adrenalina, mas e a vida?
Hoje vivemos numa sociedade sem valores, com crianças fazendo o que querem com os pais. Têm crianças que xingam, chutam, batem, roubam os próprios pais, e alguns, quando adolescente, matam. Não existe mais respeito, são super seres acima do bem e do mal. Nas escolas é só gritaria, xingamento, agressões aos ‘colegas’, professores, destruição do patrimônio, enfim, uma infinidade de atrocidades. E a pior de todas é quando o pai é chamado. Ele fica bravo com a escola por ter chamado a atenção do filho.

Mas nem sempre foi assim. Meu pai dizia que na época de escola dele era bem diferente. Não se imaginava crianças desrespeitando professores. Se os pais eram chamados quem levava dura era o filho, e não o professor ou escola. Ele até me falou que no pátio havia uma linha no chão, e os meninos e meninas tinham que ficar separados, cada qual de um lado da linha.

E isso na geração anterior a minha, bem perto.

E essa mudança vejo como esse ‘8 ou 80’. Houve uma época em que quase tudo era proibido, não se podia fazer nada. Aí então o que a sociedade faz? Muda tudo, libera tudo, pode tudo, o tempo todo. Foi de um extremo a outro. Não tenho conhecimento de vida para dizer que um extremo era melhor do que o outro, e nem tem sentido comparar extremos. Se formos avaliar a questão dos valores, respeito, certamente no passado era melhor, mas se formos levar em consideração a capacidade de criticar, se expressar, inovar, hoje é melhor. Mas não daria para termos uma solução 44? Nem tanto bloqueio nem tanta liberdade? Será que deste modo não conseguiríamos ensinar responsabilidade, valores, e ainda assim incentivar a expressão, criatividade, inovação? Eu sou da turma dos que crê que sim.

Mas analisando esta questão e outras, receio que daqui a pouco, quando a nossa situação atual ficar mais insustentável ainda, mudará tudo de novo. Passarão a punir esta falta de respeito e voltaremos a situação anterior, até que esta se torne insustentável e mude tudo de novo.... Eita sociedade montanha russa, que gosta de fortes emoções......

Este foi somente um item, mas fazemos isso com tudo.

---

ps. Agora um tom mais pessoal. Sei que algumas pessoas que me conhecem podem achar paradoxal este meu texto, afinal, estou defendendo o 44, e aos olhos de muitos sou 8 ou 80. Sei que passo essa mensagem às pessoas, mas faço isso com minhas palavras, opiniões, tentando não fazer com ações. Quando surge algum assunto, e eu preciso me posicionar, normalmente tendo ao 8 ou 80, pois expresso-me de modo categórico. E certamente isso faz com que as pessoas achem que eu aja assim, o que não é verdade. Eu normalmente procuro agir no 44, exceto casos onde não é possível, mas ao falar opto por falar do modo 8 ou 80 para que eu não passe aos outros uma postura em cima do muro, não seja uma pessoa que deixa os outros na dúvida sobre qual é a minha crença. Quando me expresso do meu jeito a idéia é mostrar que num caso de necessidade extremada a minha tendência é 8 ou 80. E faço isso pois considero horrível uma pessoa que ao defender uma idéia defende a 44, e em função disso deixa os outros na dúvida sobre qual é a sua postura.

3 comentários:

Venusiana disse...

Olá, cheguei aqui por um comentário que você deixou no meu blog, que gostei muito, aliás. Mas o assunto aqui é o 8 ou 80, que me lembrou a minha eterna busca pelo equilíbrio e um papo que tive com um pscicólogo uma vez. Lembro que ele disse que, normalmente, quando a gente muda, a gente costuma ir de um exremo ao outro e só depois, com o tempo, é que alcançamos o esquilíbrio. Ele até fez uma comparação com um cachorro, que vive preso e, quando você solta, ele quer andar por todos os lados, conhecer cada cantinho para, só depois, escolher um local adequado e sossegar ali. Nessa conversa nós estavamos falando em caráter pessoal, mas vi você abordar o mesmo assunto em caráter social e agora até me pergunto se daqui a alguns anos a sociedade vai chegar a um equilíbrio, entre a época de escola do seu pai e os dias atuais. Se a sociedade vai "escolher um canto apropriado e sossegar". Acho que só vivendo pra ver.

Carlos disse...

Acredito que na vida tudo deve ser moderado, nenhum tipo de exagero é bom. As pessoas adoram definir axiomas como "comer verduras e fazer esporte faz bem" ou "chocolate engorda" mas o que realmente acontece é que o se tudo for feito com sua devida intensidade tudo pode ser aproveitado devidamente. O exagero sim é extremamente prejudicial.

blogdocatarino.com disse...

Em nossa vida temos que procurar o equilíbrio para não vivermos em conflito, temos que negociar todos os dias a melhor posição.
Quantos as atitudes das crianças realmente é preocupante, estão totalmente sem rumo.