Sobre este blog

Este nome é facilmente interpretado como 'Mundo Idiota', o que não deixa de ser, visto que atualmente vivemos em um mundo do TER e pior, do PARECER TER / SER, enquanto o que devemos valorizar é o SER. Mas o nome tem outro motivo. Uma pessoa que defende sua pátria é chamado de patriota, numa analogia a pessoa que defende o mundo seria o MUNDIOTA.
 

domingo, 27 de julho de 2008

Terceirização

Este é um recurso utilizado há alguns anos já pelas empresas, que na busca sem limites por menores gastos e maiores ganhos, e com a concorrência sendo feita por empresas do mundo toda (inclusive daquelas que usam mão de obra quase escrava, sem direitos trabalhistas, com subsídios dos governos, etc) precisam de alternativas para continuarem sobrevivendo.

E a busca da sobrevivência é algo muito bom, afinal, de nada adianta uma empresa falida. Além de diminuir a economia, empregos serão perdidos, impostos deixarão de ser arrecadados, enfim, muita gente sairá perdendo. E então veio a terceirização, que nada mais é do que usar outras empresas para fazerem parte dos serviços necessários para que uma empresa sobreviva. O mais usual é para aqueles serviços que são identificados como não sendo o objetivo de uma empresa. Por exemplo, a minha empresa produz máquinas de lavar, então o pessoal da limpeza, da alimentação, dos recursos humanos, que são necessários para o funcionamento, porém não participam diretamente do objetivo da empresa são terceirizados. Além do benefício óbvio, que é o de diminuição do custo, pode-se ter também o benefício de uma qualidade maior, afinal, a empresa que presta o serviço faz somente isso, e, portanto é uma especialista. E se alguma pessoa sai outra já entra, não dando ‘preocupação’ para o contratante em ver pessoas, essas coisas.

E como as empresas somente podem terceirizar aquilo que não é seu objetivo, o que elas fazem quando mesmo assim querem – ou precisam – diminuir seus gastos? Simples, se eu não posso terceirizar o que é meu objetivo, eu mudo o meu objetivo. Como assim? Hoje em dia, as empresas que produzem automóveis são chamadas de montadoras, já repararam? E por quê? Porque elas não mais constroem os carros, elas somente os montam. Tudo o que é preciso para se fazer um carro é terceirizado. São empresas que fazem as peças necessárias para o carro, algumas existindo somente para uma montadora e obedecendo todas as normas impostas pelas montadoras. Bom, lei é lei né? E então as montadoras somente pegam as peças e as juntam. Na verdade ela é uma ‘resolvedora’ de quebra-cabeças.

Mas tudo na vida tem seu lado bom e ruim. E o que falei é o lado divulgado, o financeiro. O quanto isso torna as empresas mais competitivas no mercado mundial. Sei disso, mas me questiono qual é o custo desta economia. E não é custo financeiro não, mas sim o humano.

As pessoas que trabalham para uma empresa que presta serviço para as demais são comprometidas com o resultado? São comprometidas com a empresa para a qual estão prestando serviço?
E as empresas que contratam as terceiras, estão preocupadas com a empresa que contratou, as pessoas que lá trabalham?

É esse o ponto. A terceirização acabou com o comprometimento, já que as pessoas não mais são da empresa, mas somente estão na empresa, e como estar é algo temporário, para que me importar se o serviço é bom ou ruim, se uma ação minha pode melhorar muito a empresa? Eu estou lá fazendo meu serviço, se bem ou mal não fará diferença nenhuma pra mim, funcionário terceirizado, já que eu não ganharei nada a mais com isso (nem financeiramente nem oportunidades ou reconhecimento). Então somente se faz o que se pagou, e nada mais. E as empresas que contratam, se há algum problema com a contratada, como por exemplo uma dificuldade financeira, já descartam e pegam outra. Ou se a empresa começar a mandar profissionais melhores, e por isso com um valor maior, será que esta empresa continuará a prestar os serviços, ou será substituída por uma mais barata, através do nivelamento por baixo?

Infelizmente vejo o nivelamento por baixo, o não compromisso das pessoas. E a imediata substituição das pessoas ou empresas assim que qualquer problema ocorra. Mas o maior problema não é esse, mas sim a mentalidade que se cria.

Quem convive neste meio percebe tudo isso, e vê o quanto as coisas ficam descartáveis, com pessoas e empresas sendo trocadas assim que não mais interessarem. Eu pago, você faz o que eu quero. Você tem algum problema, problema seu. E vão, dia a dia, vendo tais posturas. E isso enraíza, e as pessoas, na sua maioria, começam a achar normal tal postura, e a adotam como postura de vida. As pessoas também começam a ser tratadas assim. Se eu conheço uma menina, enquanto ela me for 'útil' eu fico com ela, a partir do momento em que tiver algum problema eu troco por outra, sem problema. As relações ficam superficiais, sem cumplicidade, sem o desejo de fazerem algo melhor, de serem melhores, afinal, estão sendo ‘domesticadas’ deste modo.

Será que a terceirização é tão boa assim? Será que os prejuízos que a sociedade tem são menores que os benefícios financeiros? Vejo os centavos economizados na produção de mais e mais produtos gerando famílias (força de expressão) desestruturadas, com pais e mães com filhos de 3 casamentos, irmãos tendo que fazer árvore genealógica para entenderem qual a relação entre eles, pessoas se internando por estarem sempre só, mesmo cercada de pessoas, pessoas cometendo erros crassos com grandes prejuízos, grandes idéias perdidas por não ter motivo para serem ditas. Isso para mim gera muito prejuízo, afinal uma sociedade desestruturada aumenta os gastos pessoais e públicos com segurança.

Terceirização:
- Wikipedia
- Sebrae

3 comentários:

Iza disse...

Lendo sua postagem lembrei-me que aqui no RS o governo está tentando fazer exatamente isso com a educação. Não consigo imaginar o quanto melhoria para a sociedade já que sou funcionária pública e não consigo imaginar a situação de fora.
Enxergo as pessoas em nosso país, como adormecidas ou entorpecidas pelo que a grande mídia dita.
Por enquanto ainda temos nossos blogs para protestarmos enquanto pudermos...
Quanto ao teu comentário lá no blog, respondi e para mim também é muito difícil repassar selos ou memes mas... acabo repassando!
Te levei para lá porque gostei de tua postura crítica

Anônimo disse...

Olá bom dia, li o seu comentário sobre terceirização e percebi que está muito crítico, realmente, as pessoas enxergam com esses "olhos", ou seja, a terceirização como uma "coisa qualquer", mas como eu trabalho em uma empresa terceirizada por uma multinacional de nome muito forte, eu discordo dessa crítica, pois no meu conceito, posso estar errado hein, mas para mim, isso depende da cultura da empresa que vai terceirizar e da cultura da empresa que está terceirizando, se as culturas se corresponderem, as organizações trabalham no ganha-ganha, ou seja, onde todo mundo ganha, não só como custo financeiro, mas como motivação, crescimento, qualidade de vida, etc..., na minha empresa terceirizada, oferecemos aos funcionários tudo que a multinacional oferece aos funcionários dela, por exemplo, ginástica laboral, treinamentos, epis adequados, padronização, etc..., então os funcionários terceirizados, tem uma visão de empresa igual a multinacional, assim, tendo orgulho em trabalhar e deixando de lado esse pensamento de que a outra empresa é melhor, não sei se fui claro, mas o meu ponto de vista em relação a esse assunto é esse. Obrigado.

Anônimo disse...

Ouço muitas críticas sobre a terceirização de mão-de-obra e acho todas elas totalmente parciais e infundadas.

Nenhum emprego privado é efetivo. Todos são temporários. O que faz uma pessoa permanecer no emprego por mais tempo e alcançar promoções dentro de uma corporação é o próprio desempenho do profissional. As empresas necessitam de pessoas capazes e com vontade de vencer. Se o empregado for bom, dinâmico e eficiente, certamente a empresa não medirá esforços para tê-lo em seu quadro funcional, por outro lado, se o mesmo for ruim este será descartado.

Algumas empresas recorrem à terceirização não apenas para ver o seus custos reduzidos operacionalmente, mas para detectar possíveis talentos que possam vir a fazer parte do seu quadro funcional efetivo.

Quanto à remuneração, bem, para quem possui o mínimo de informação sobre as Leis que regulamentam a atividade de terceiração sabe que o funcionário terceirizado é regido pela CLT, bem como pelas Convenções Coletivas de Trabalho, sendo assim, os funcionários terceirizados possuem direitos como qualquer funcionário efetivo de uma corporação. Dentre os direitos estão: seguro, salário não inferior ao do funcionário efetivo que exerce a mesma função, décimo terceiro salário, FGTS, etc, etc...

A terceirização é uma modalidade empresarial que só tende a crescer em todo o mundo.

Só é contrário à terceirização os incapazes ou os que não sabem do que se trata, efetivamente, uma terceirização e seus fundamentos.