Sobre este blog

Este nome é facilmente interpretado como 'Mundo Idiota', o que não deixa de ser, visto que atualmente vivemos em um mundo do TER e pior, do PARECER TER / SER, enquanto o que devemos valorizar é o SER. Mas o nome tem outro motivo. Uma pessoa que defende sua pátria é chamado de patriota, numa analogia a pessoa que defende o mundo seria o MUNDIOTA.
 

sexta-feira, 4 de julho de 2008

Internet

Temos serviços que são considerados essenciais hoje em dia, como água, esgoto, energia, coleta de lixo, transporte. São serviços que necessitam estar o tempo todo disponível, pois sua ausência provoca grande perda à população. Imaginem só ficarmos sem energia, ou ficarmos sem água. Não digo que é impossível viver sem estes serviços, no entanto sua ausência, mesmo que temporária, trará grande prejuízo às pessoas e a sociedade.


E tem outro serviço que também se tornou indispensável nos dias atuais: a internet. E hoje ocorreu um imenso problema aqui no estado de SP – e devido à falta de informações não consigo ter uma idéia do real tamanho – e que deixou muitas pessoas e empresas sem internet. Bancos não abriram, pois não tinham como se comunicar com os sistemas das centrais, delegacias não puderam registrar os ocorridos ou então pesquisar se uma pessoa era criminosa ou não. Aqui na minha cidade o Poupatempo não funcionou, afinal, os sistemas precisam de conexão.


Como disse no meu perfil, eu trabalho com internet, numa empresa cujo foco é esse. Imaginem então o prejuízo que isso acarreta. Não só não conseguimos acessar as informações necessárias, os nossos sistemas, como também qualquer possibilidade de pesquisa para os trabalhos internos é extinta. A comunicação também fica complicada, além de tornar-se cara em alguns aspectos. Os emails deixaram de existir, e se for vital que entreguemos algo a algum cliente precisaríamos ir até o cliente ou então buscar outro tipo de conexão que não dependa da empresa Telefonica. E em todos os casos o custo torna-se mais alto, não só financeiramente, mas em termos de relacionamento com o cliente, pois isso pode gerar estresse.


E as lan houses? Como ficam? O ganha-pão delas baseia-se na internet. Sem isso elas simplesmente não faturam. E quem pagará este prejuízo? O dia delas não tem recuperação, pois o que elas vendem é o tempo. E os prejuízos causados pela impossibilidade de se pagar contas nos bancos? Como ficará a negociação para evitar pagar multa, visto que a pessoa não teve condições de pagar no dia? Sei que a pessoa provavelmente não pagará a multa, mas o transtorno que ela terá, pois terá que ligar para o credor, ir até a empresa e pagar. Tudo isso consumirá tempo e dinheiro.


Fico perplexo por ver a dependência de um estado (inclusive com os serviços públicos) para com uma empresa. Um problema em uma empresa, e o estado mais rico do país fica sem comunicação. Tudo trava, tudo pára. Será que nenhuma autoridade sabia de tal dependência? Com a atual importância da comunicação, o estado não deveria ter uma estrutura própria, além de um plano de contingência para o caso de problema na estrutura principal?


Se nosso governo depende de uma empresa, e sem esta empresa ele fica parado, será que o preço pago é o justo? Afinal, se não pagar o que a empresa quer, não terá comunicação. Não consigo imaginar um estado tornando-se refém de uma empresa. E não consigo aceitar um estado sem um plano de contingência. Muito menos uma estrutura tão vulnerável, onde um problema em um único ponto afeta a vida de milhões de pessoas.


Parece que nada aprendemos com Aquiles, aquele do calcanhar. Somos capazes de coisas incríveis, televisão no celular, homens na lua, robôs fora do sistema solar, mapeamento do DNA, nano robôs, mas somos incapazes de pensar em plano de contingência não.


Um comentário:

JC disse...

Foi bom para terminar de ler um livro que a muito tempo eu adiava porque estava lendo forúns na net

Quanto ao prejuizo, que tal todo mundo processar a telefônica...??