Sobre este blog

Este nome é facilmente interpretado como 'Mundo Idiota', o que não deixa de ser, visto que atualmente vivemos em um mundo do TER e pior, do PARECER TER / SER, enquanto o que devemos valorizar é o SER. Mas o nome tem outro motivo. Uma pessoa que defende sua pátria é chamado de patriota, numa analogia a pessoa que defende o mundo seria o MUNDIOTA.
 

sábado, 6 de outubro de 2007

Diferenças

Eis a única semelhança entre todos os seres humanos: somos todos diferentes!


Sei que a frase é um clichê, mas isso não a torna menos importante ou uma frase a ser desconsiderada. Realmente precisamos aprender o significado desta frase, para que possamos respeitar todas as pessoas.
Imagine-se em um lugar plano, onde para qualquer lado que você olhe somente enxergue o infinito. Agradará sua visão? Agora imagine-se em um lugar com muitas montanhas, penhascos, picos, vales, planícies. Agradará sua visão?

Creio que a maioria das pessoas preferirá o segundo lugar, onde há diversidade de elementos, do que o primeiro, onde é tudo sempre igual. E da segunda visão, há algo mais bonito do que outro? Há algo melhor do que outro? Não, não há. Claro que cada pessoa tem gostos, e pode gostar mais de um elemento do que outro, no entanto isso não torna o elemento que gosta mais bonito, ou melhor. Nem torna o outro mais feio ou pior. Simplesmente nos agrada mais. E assim como uma pessoa pode gostar mais do vale, outra pode gostar mais das montanhas.
Estas belezas estão aí, disponíveis para nossa apreciação.
E qual a particularidade mais bonita, melhor? Não há isso, todas são bonitas, cada qual na sua finalidade. Particularidades não servem para serem alvo do comparação ou julgamento, servem somente para serem contempladas e admiradas.

Por que utilizei este exemplo geográfico? Para que possamos fazer uma analogia com as pessoas e a sociedade. Assim como a natureza, os serem humanos são sempre diferentes. Falando do aspecto externo tem os altos, os baixos, os gordos, os magros, os carecas, os barrigudos, os narigudos, os sem-bunda, as sem-peitos, enfim, classificações não nos faltam. No aspecto interno tem os inteligentes, os burros, os chatos, os legais, os teimosos, os bonzinhos, os complacentes. Classificações também não nos faltam. São tantas que nem precisamos de DNA para comprovar nossa condição de únicos.
E como que nós, membros de uma sociedade agimos com isso? Agimos muito mal. Tentamos promover a todo e qualquer custo a 'terraplanagem' das pessoas, deixando tudo igual. Ficamos apontando para as pessoas e ressaltando as suas características, mas não de um modo positivo e construtivo, mas sim de um modo negativo, ridicularizando muitas vezes. Nós somos treinados para não tolerarmos diferenças, preferimos que todos fiquem no mesmo molde. Todos precisam ser inteligentes iguais, com pesos iguais, com estaturas iguais, tudo igual.

Chega!!!!!

Precisamos mudar esta mentalidade de 'terraplanagem', de tentativa de normalização, de enquadramento à um padrão que ninguém sabe quem criou, mas que aceitamos com tamanha facilidade que é preocupante.

Passemos a olhar as outras pessoas com as belezas de suas particularidades, de suas singularidades, das suas características que as tornam ÚNICAS.
Passemos a ensinar nossas crianças que rir ou debochar de outra criança não é o certo. Sei que é típico das crianças, mas é dever dos adultos olharem isso, educarem, para que quando estas forem adultas já estejam com estes valores enraizados.
Passemos a olhar para nós mesmos e nos maravilharmos com nossas características.

Viva a DifERençA!!!!

Um comentário:

Ana Paula disse...

Nossa, Leda! Esse pegou fundo pra mim.
Não que eu costume não valorizar ou respeitar as diferenças, mas é que no momento pessoal em que estou vivendo, me peguei refletindo muito nas suas palavras. Como somos prepotentes achando que temos o direito de não aceitar as pessoas como são e respeitá-las por isso.
Talvez, nesses últimos dias esse tenha sido um dos meus maiores questionamentos: se não sou eu quem estou fazendo com que o problema se torne maior ou que algo que não precisaria ser um problema passe a ser, não aceitando as diferenças e não tendo paciência para com o próximo.
É pra se pensar...
Beijos, Ana Paula